It’s exactly a full year since I left home and arrived in Canada.

The promise – the dream – was the motto “This is MY year“. Just coming out of university, shooting a guerilla-style webseries of my own creation, a beautiful – and smart, and funny, and hot, and talented – girlfriend by my side, as excited as I was to get here. Living together without having to share the apartment with anyone else. Making all the decisions, living abroad for the first time for the both of us. What the hell could go wrong?

I came in almost three months earlier while she wrapped up her degree. In the meantime I would find us proper housing, set up the place, get used to the life and start classes. Summer in Vancouver, again, what could go wrong? I came with a friend, with everything set up to stay at another friend’s place, one I hadn’t met before but sounded quite the nice guy. He’s a nice guy indeed. Day one we went to sort out all the practical stuff – phone, id, bank account, all that crap – and he let me stay at his place until I could find my own. We had a lot of fun during the first month, and I ended up getting an awesome apartment in an awesome building for a very good price. Me and May worked everything out for the apartment. Before going to IKEA we tore their website apart, figuring which pieces of furniture I should get, and where to put them in our home so it was a thing we built together and not the hack and slash it would be if I did it on my own – just to give an idea I lived a month with just a mattress on the floor, a sidetable doubling as dinner table, bike, notebook and a cool red armchair we got off Craigslist.

Every day was a different adventure and we walked a lot. A LOT, as in over 15km daily, exploring the neighborhood, enjoying the canadian politeness, getting lost, feeling lost, and getting used to the new environment. Classes started and the excitement went up even higher. What a shit ton of new stuff to learn. Damn, 3D modeling? I’ve tried it before on my own at least once a year and never got past the first week of tutorials since the menus always got fucked up. Everything else was kind of ok, but we had an absurd amount of assignments each week, cramming in knowledge the best way possible, taking notes and fighting off the always approaching deadlines.

Since my life was pretty simple in this first term, I had no worries about anything but getting that shit done. One sentence summarizes it all: “Wake up, get to school, get home, sleep. Repeat”. I was like clockwork for I had nothing else.

The term was getting close to the end by the time Nicko arrived to stay a couple weeks at my place. Was it a couple weeks? It sure as hell felt like it, considering the number of nights we went on modeling stuff, discussing lineflow, playing Left 4 Dead, The Last of Us, and messing around with MEL scripts. Not long after that May arrived. I got very anxious about one week before and could barely eat with anticipation. It was just the beginning. My appetite wouldn’t recover any time soon, but I didn’t know that yet.

I don’t feel comfortable getting into details about our things, but I’ll say things weren’t great. Term 2 was going extreme and I had a share of sleepless nights. Now, a little bit about myself and work: I love what I do, as in I love the work, figuring out things, solving problems, fighting shaders and painting crap on Photoshop. The downside: I never learned how to turn it off. Back home, I used to work on set, and once you leave the set, there’s nothing to work on. We always had time for each other and never thought much about it, just felt natural. Was there any other way of being? Not that we knew of. In Vancouver that wasn’t quite the case. You can always get up at 5 in the morning to check renders and set them right, or dream about a particular fix for a comp and get up to test it out. Maybe my mistake was having the possibility of working from home. Maybe that’s what kept me alive for so long.

Back to the time issue. There I was, struggling with an even higher stack of assignments, May was living her Term 1, which is always amazing and inspiring, and even though I spent a reasonable amount of time at home, I was never entirely out of thinking about modeling and texturing the damned character, environment, rendering the Later Alliegator and storyboarding the Alien Encounter. All of that while trying to come up with any brilliant ideas for the reel. Writing it down now makes me question how the fuck didn’t I notice it was a recipe for madness.

Term 2 was finally over, but the damage would come in its wake. It was during Term 3 that I started going down, double guessing my decisions and the whole point of being in Vancouver. For quite a while I didn’t feel like doing anything at all but watching TV. I started to wonder if my pitch for the reel would work at all, I kept getting the “keep on doing what you doing” feedback, which is disturbing when you’re in for the learning. After about a month of “keep on going” we had our individual meetings with Brent and that was something in the lines of a nightmare. At this point I hadn’t yet learned that criticism isn’t personal and I was still very attached to the story I wanted to tell. Silly me. Everything went upside down and I didn’t touch anything related to my reel for about three more weeks. Then, lightning struck in the Term’s last week and I got a surge of inspiration to get things moving again.

In the meanwhile I had several emotional breakdowns solved singlehandedly by May, and later on, with my parents and therapy/counselling. But the beginning was hard. I was already skinny by this point. We wouldn’t go out to eat for I’d feel sick right before starting to eat, I wouldn’t eat what we cooked at home because it got me nervous for unknown reasons, I wouldn’t eat at school because I felt insecure about myself in several aspects and playing it cool so no one would notice. For more than a month I carried a bag of nuts and raisins inside my coat so I could eat whenever I felt I wouldn’t get instantly sick. I kept the crisis from anyone – even May and my parents – for a very long time, thinking – hoping? – it was just a ‘thing’ that would wear out soon enough.

We also had the near-freezing experience to add some more layers of damage and the winter itself made me miserable. The temperature NEVER drops below 23 where I come from. My most extreme situation before Canada was 8 degrees and not even for more than one day. The lack of Sun, short days and constant raining boosted the cold-and-alone feeling. Until this point I used to bike to school, but I was feeling so weak by not eating that I just stopped until I recovered or the weather improved. Neither of which happened.

For our christmas break, the original plan was head to Los Angeles and enjoy the Sunshine State for a few days, since we’re so close to it, when compared to Brazil. I didn’t feel anything like doing that anymore by the time we got to December. I just wanted to go home. I needed something I knew, I couldn’t stand feeling lost or insecure anymore. We came home for less than ten days and saw 2014 turn into 2015 inside an airplane. Most depressing New Year party of my life and I’m comparing that to the previous year when one of my cats DIED. The best thing during this short break was being beside May. I feel like home wherever I am with her.

2015 has been so fast so far that I can’t even explain. And still, it feels like a decade since I left home a year ago. Days feel like weeks and one week seems to last for about three, based on the amount of stuff we do and work on and think about and deal with, not only at school but regarding our apartment – bills, dishes, laundry, insomnia, changing the sheets every once in a while, keeping it kind of clean – and the messed up reality of work permits for international students.

Things haven’t improved, overall, in my daily life – I still don’t eat properly, don’t sleep all too well, and things are far from fine with the love of my life. Last saturday I got sick. Hardcore sick. My appetite had ups and downs over the months but then it was absolutely gone. Nothing could go down, I couldn’t stand looking at food or drinks. I think it was something I ate. This was one of my worst fears while losing weight: getting to a critical point where a flimsy flu could knock me dead. No improvement on Sunday. On Monday May escorted me to the hospital where I hang while waiting for test results and diagnosis. The doctor prescribed me some pills and it seemed to work. Then Tuesday come to prove I had NO IDEA how sick I could endure. All these days I barely left the bed. It wasn’t just the sickness, I didn’t feel inspired or motivated to work on anything or even watch TV. God bless all those books and comics I hadn’t read yet, for that was all that kept me from total boredom and despair.

Being sick sucks. Being sick and alone is even worst. May had her assignments to do at school all day and I can’t stand the idea of holding her back at all. So I spent hours and hours chatting with my parents. Hell, I think I dehydrated from all the crying too. Remember that thing of being unable to turn my tasks off? Well, that expanded to all aspects of life. I couldn’t stop thinking about how I wanted to feel better soon, how I wanted to be a better boyfriend, to work harder, to enjoy the sun outside, to enjoy A DECENT FUCKING MEAL WITHOUT GETTING SICK BY JUST THINKING ABOUT IT and so on. And no signs of getting any better.

Wednesday evening, talking to my parents, they suggested coming back for a while, to get better. At the moment, it felt a little desperate. “I can push through this! There’s only a month left!”. Five minutes later it felt like the world’s greatest idea. It was just a month, but then what? I would miraculously heal as soon as school was over? What about work? What would I be doing? If I’m planning to stay on Canada, it sure wouldn’t be feeling the way I did for a long time. It didn’t get better at all over time. It was time for a change, and a radical one.

I don’t know if the sickness wore off naturally, or if my unusual state of happiness kicked it down, but I was able to actually accomplish a lot in that last Thursday, letting everyone know about the problem at hand, contacting the school administration, instructors, close friends and solving any pending issues related to my return. I can’t describe how much better I felt for all the things I heard from my class, and not only that, but every one that played a part in this story. Helped me figure out some issues and also part feel as of the group, embraced by plenty “get better”s and “see you soon”s.

I had something to finish off this post, but writing it wasn’t the easiest of tasks and I’m ending it just like this.

Airport Tales.

Flights and connections are usually boring and pretty straightforward and would never deserve a post, but I experienced some strange coincidences during my return to Brazil that I thought worthwhile writing about.

First of all I left school during the morning break of our Final Presentations and got on a taxi towards YVR. I faced the broken Skytrain as a signal to not use public transit on my journey, and that proved a good thing a little later. We faced some traffic, sure, but got to the airport quickly and in time for me to realize my name was messed up on the boarding ticket and I had to fix that or my passport wouldn’t be of any use at all.

“Nice to meet you, I’m Titoguimaras Ferradans!”

That was quite easy and since I didn’t have much to do in the airport I went straight to the boarding gate. C42. This is the furthest gate from the point you enter YVR’s boarding area. I was feeling a little weak from being sick and not eating properly, plus my handbag was overly heavy. I dragged myself across the entire terminal at turtle speed, taking breaks in the process. I kept thinking “Why couldn’t I be lucky for once and have like… the closest boarding gate ever?”. Near the very end, when you’re almost at the gat, there’s ONE of those crawlers that carried me for about 15 meters. By the time I was getting out of it, the song ended on the iPod exactly in time for me to hear an Air Canada employee calling my name. The flight was supposed to leave at 2pm, and it was 11:45am. Using the strength I had left in me, I hurried there with my single lead-filled handbag.

The attendant was a very nice guy, who was able to transfer me to an earlier flight so I’d have more time to spare in Toronto, since my connection time was a little tight. The new flight was leaving at 1:15pm. Boarding gate? C50. THE VERY FIRST ONE WHEN YOU GET TO THE BOARDING AREA. So much for wishing to board in one of the first gates… And now I had way less time to get there and no crawlers at all. I considered jumping in one of those small carts that roll around with airport staff, but my landing would be very rough when taking the bags weight into account.

Let’s just say I got there in time and the place was hectic. Apparently there were many others transferred into this flight, so we had to hang around until they figured out our seats. I think I got the very last one.

The flight was fine, I tried watching Exodus, which turned out to be the most boring epic movie I’ve ever seen and about one hour in I started to doodle some ideas for VFX, since I’ll have a doubled Term 6 and wanted to do something other than Hovering Lights using assignments and older shots, as well as shooting a couple new plates while here in Brazil, where I know people with lots of gear and willing to have fun shooting. It was born – more like revamped – the Ultimate VFX Toolkit, which will be introduced here soon and requires very little work to be done – a lot of motion graphics, though.

Again, at Toronto, my boarding gate was E78, one of the furthest options from where we landed. Lots of crawlers on the way, this time. People went rushing through them while I enjoyed the ride and being free of overly heavy bags. The time I saved getting the earlier flight was well spent riding these things like there was nothing better in the entire trip. I still got to the gate with plenty of time until boarding and kept on reading my virtual books – “The 100″, which inspired the TV show, which is MUCH better than the books themselves, but I only realized that when finishing up the third book, rounding up 700 pages along the week.

The second flight was longer, 10 hours, and I slept a good part of it, read until the book was over and wrote some more ideas and thoughts. I should’ve brought another of these small notebooks…

We finally got to Sao Paulo, and I still had to hang around for another two hours before the third – and last – flight. During this time I brought my brazilian phone back to life, remembered 3g internet here doesn’t work at all, called my parents – neither of them picked up! hahaha – and got to the right boarding terminal. This time there were no surprises with my name in the ticket. No surprises either when I found out the boarding gate was – again – the furthest away from the entrance point. Stupid me, kept thinking “why do I always get this lucky?”. And, twenty minutes left to start boarding, the gate was changed too, to the second one closest to the entrance. By this point I could barely feel my left hand from carrying the goddamned bag, but I know bringing the camera and hard-drives will pay off quickly being here for a month.

On the plane, I was rewarded having free seats all around me. The only free seats on the plane, by the way. Then I could relax properly and write down some more plans for the UVK. Two and a half hours on the air and I was finally home.

God, it feels good to be home.

From the airport me and my mom went straight to the beach, to make some offerings to Yemanja and ask for her blessing upon my return and future departure. The sun was setting and it was not even 5pm. The water was warm and I almost plunged into it. “Almost” as “got 90% in”. Then we finally came home, met my dad and talked about what I just wrote up here. I went to bed no later than 9pm, which equals 5pm in Vancouver.

Kingsman + Furious 7

Tirei terça feira passada, ainda no break, como um dia de cinema. Fui diminuir um pouco o atraso com os últimos lançamentos – que agora já voltou a aumentar, com Avengers, mas isso fica pra depois. Na minha lista estavam Kingsman, que já tá fazendo aniversário em cartaz (Chappie entrou e saiu e Kingsman continua), e Furious 7, graças aos trailers absurdos e toda a questão da morte de Paul Walker, num acidente de carro.

Em relação a Kingsman eu tinha boas expectativas, o trailer era divertido, só tinha medo de ser muito adolescente, apesar da temática de espionagem e ação. Se eu tivesse visto que era direção do Matthew Vaughn essa preocupação não existiria. A cabeça por trás de Kick Ass acerta de novo em termos de entretenimento com um filme fácil de absorver, recheado com sequências de ação muito bem planejadas e executadas, personagens empáticos – até o vilão é daqueles que você acha tão divertido que podia sobreviver. Pensando na trama, fico inclinado a dizer que o protagonista é o Eggsy – Taron Egerton -, mas os eventos são muito bem divididos entre o garoto e o personagem de Colin Firth (Galahad).

Galahad inclusive toma parte na sequência de ação mais absurda do filme, quando o vilão – interpretado por Samuel L. Jackson – decide testar sua arma de destruição em massa. É uma coisa tão alucinante – e violenta – que, em primeiro lugar, eu jamais esperava ver no cinema, em segundo lugar, não achei que ia acontecer do começo ao fim sem montagem paralela, ou sem um corte que deixasse o resultado no suspense. É um mata-mata desgraçado que até impressiona quando penso que a censura é 16 anos (rated R), e não 18.

No fim do filme também tem uma outra sequência com potencial incrível para sanguinolência, mas a equipe do filme conseguiu arrumar uma solução com muito estilo e personalidade pra resolver o problema. Não vou dizer o que é porque é um puta spoiler, mas não dá pra ficar na dúvida, porque é a única coisa no filme que não é representada de forma realística!

Agora, vamos à segunda parte, Furious 7.

Antes de assistir ao filme, já estava surpreso porque a avaliação dele no Rotten Tomatoes é maior do que a soma de alguns outros filmes da franquia (2 Fast 2 Furious e Tokyo Drift, por exemplo). Tem toda a questão de que algumas cenas foram feitas com um dublê digital de Paul Walker, porque foram “rodadas” depois da morte do ator – por trágica ironia, num acidente de carro – então tinha muita gente curiosa pra comparar essa versão digital com a real, ambas no mesmo filme. Além disso, não é lá muito comum blockbusters com atores falecidos, o último caso que me lembro foi o Batman, com Heath Ledger interpretando o Coringa, que também bombou de bilheteria.

Achei elegante que as duas últimas cenas do filme amarram com a saída do ator da série, e com um simbolismo até interessante – talvez eu estivesse muito emocionado depois de tanto entretenimento nas duas horas anteriores – de estradas que se separam, todo o elenco assistindo ele e a esposa (na série) brincando com o filho numa praia deserta e meio que comentando a participação dele na história, desde o começo da série, lá em 2001. Sei lá, acho que é algo meu, admirar quando um produto audiovisual mostra que é consciente de si mesmo em relação ao mundo real – o mesmo acontece no final da quinta temporada de Community, onde o Abed faz vários comentários que só fazem sentido no contexto de que a série podia estar mesmo chegando ao fim, mas podia ter esperança também.

Não tenho defeito pra botar nas sequências de ação do filme. Se as dos filmes anteriores já eram absurdas, esse tem perseguições mais longas, referências a eventos passados e muito mais adrenalina. Tem vários momentos que eu senti que tava vendo um 007 das antigas, que eram maravilhosos – em grande parte – graças às mentiras absurdas, que fazem sentido no universo da história. O filme todo funciona como um fechamento para a série, resolvendo dramas presentes desde o quarto volume, amarrando com personagens do Tokyo Drift, o vilão de Furious 6, e mais outras tantas referências. O próximo – porque não acho que a franquia esteja acabando aqui – tem liberdade pra começar algo novo, e isso é algo que pode ser tanto bom como péssimo. Torçamos, porque esses filmes de carro são muito divertidos!

Um breve comentário sobre as três ou quatro vezes que personagens caem girando/rolando e a câmera acompanha, dando a impressão de que o personagem está se movendo pouco e é o mundo que tá girando. Foi um efeito que na primeira vez que apareceu – logo nas primeiras cenas – eu achei interessante e fiquei querendo ver mais vezes, agradeço ao filme por não ter usado uma vez só.

The 100.

Não é do meu feitio dar mais de uma chance quando tento começar a assistir uma série. Ou me convence de cara, ou cai no esquecimento e eu não termino nem o primeiro episódio. Já perdi a conta de quantos pilotos eu abandonei no meio. Tendo essa informação, o caso de The 100 é bastante (BASTANTE) peculiar.

Março de 2014, The Last Of Us tinha saído alguns meses antes, e eu já tava alucinado com o jogo, por tocar um conceito de universo pós-apocalíptico muito interessante. O jogo se alinhava um tanto com Revolution (que estreou quase um ano antes), uma série baseada na idéia de que, um dia, subitamente a eletricidade cessou de existir, e a humanidade teve que se adaptar pra sobreviver. Revolution tinha (morreu, coitada) sérios problemas, e não consegui continuar acompanhando a série quando a segunda temporada começou justamente por achar mais defeitos que qualidades.

Temas pós-apocalípticos me interessam desde antes dessa febre zumbi “iniciada” com The Walking Dead, e em minha opinião, independem de zumbis ou monstros. Pra mim, quando mais pautada na realidade, melhor a série. The Last of Us tem zumbis, mas não é uma série, e é uma história tão bem amarrada que não tem como não se apaixonar. Agora que essa introdução confusa já tá explicada, voltemos à estréia de The 100.

Quando a série estreou, a gente tava na véspera de começar a rodar a primeira temporada do Zona SSP. Quando li a premissa de The 100 – daqui a não-sei-quantos (acho que 300) anos no futuro, uma guerra nuclear acabou com a civilização na Terra e os únicos sobreviventes da humanidade eram aqueles à bordo de estações espaciais. Quando a série começa, essa mega-estação está passando por crises com volume populacional e oxigênio disponível. É preciso reduzir a população e para tal, eles decidem mandar cem criminosos para a Terra, tanto como punição como para descobrir se o ambiente já é “sobrevivível”. Até aí, bacana. Minha birra começou quando descobri que os 100 condenados eram praticamente adolescentes, em seus quase vinte anos.

Lembrei de Jogos Vorazes, onde tanto o livro como os filmes não tinham decepcionado, apesar da idade dos protagonistas, e tentei superar essa birra inicial, continuei assistindo o piloto. Primeira coisa que a galera faz quando chega no chão: festa. Porra, sério? Ambiente hostil, e vocês vão fazer festa? Depois começaram os draminhas românticos de “fulano é a fim de sicrana que é a fim de beltrano” e por aí vai. Depois impliquei que todo mundo tava sempre muito limpinho e bem cuidado, e tudo lindo e maravilhoso – essa era meu maior problema visual com Revolution, os personagens estavam sempre limpinhos, não importa o que acontecesse, eles ficavam um pouco pintados de carvão quando algo explodia nas redondezas, mas isso era tudo.

O piloto termina quando um dos cem é atingido por uma mega lança, arremessada por algo que parece um macaco gigante. Planeta dos Macacos agora? Achei os efeitos visuais fuleiros, não fui muito com a cara dos personagens, achei os dramas muito adolescentes e só curti mesmo a premissa, mas não como tinha sido desenvolvido. Triste e decepcionado, abandonei o show.

Quase seis meses depois, já aqui em Vancouver, a segunda temporada da série se aproximava do fim e lendo um review sobre as melhores séries do ano, lá estava The 100. Fiquei MUITO curioso com isso. Como aquela porcaria tinha ido parar numa lista dessas? A review falava maravilhas de muitas coisas e achei tão convincente que dei mais uma chance – tava disponível no Netflix, e isso é sempre um incentivo. Odiei tanto o primeiro episódio que não tava disposto a passar pelo stress de novo. Comecei direito no segundo, porque lembrava vagamente dos eventos.

O segundo episódio também era uma desgraça. Eu não costumo assistir séries enquanto faço outras coisas – trabalhar no computador, ler, escrever, whatever – e fiz isso com o segundo episódio, porque tava começando a ficar com raiva pelos mesmos motivos do piloto. Faltando sete minutos pra acabar, desisti.

Mais seis meses se passaram e, um dia, voltando da aula de noite, conversando com o Nicko e falando do Zona SSP, ele disse que tava vendo The 100 com a Nat e que a série tinha MUITO em comum com o nosso projeto. Fiquei encucado, mas ainda não aceitei que o diabo da série podia ser boa depois de duas decepções tão grandes. A Nat então explicou a teoria dela de três episódios. O primeiro e o segundo episódios de qualquer série geralmente são péssimos, mas tem como função apresentar o universo onde a história vai se desenvolver. Se no terceiro episódio a coisa não tiver engrenado ainda, é aí que ela desiste. Não pretendo adotar essa teoria, a menos que muita gente me indique um show em particular. Como já tinha visto 2 episódios e só faltava um pra me livrar definitivamente dessa, algumas semanas depois, num momento de tédio, retomei o final do segundo episódio e emendei no terceiro.

Aí fodeu. No mesmo dia eu parei lá pelo oitavo. Outro dia tedioso e vi mais sete episódios seguidos. Hoje vi mais cinco. Faltam três episódios pra chegar no final da segunda temporada. A série é incrível. Tudo que eu tinha de reclamação foi resolvido. Na verdade, tá num ponto onde todos os caminhos envolvem decisões e consequências incrivelmente cruéis ou fatais. Todos os personagens chave já apanharam tanto e bateram tanto uns nos outros e em terceiros que em certos momentos é difícil ler as expressões faciais por baixo das camadas de ferimentos, sangue e sujeira.

Além dos 100 originais – onde pelo menos mais da metade já foi dizimada -, mais gente da estação espacial entrou em jogo, outros grupos (facções?) humanos entraram em contato (todo mundo querendo matar geral), e tem mais outros tantos que a gente só ouviu falar. Em alguns momentos a série me lembra Jogos Vorazes, mas principalmente o terceiro livro, quando é guerra declarada contra a Capital. Em outros momentos fico impressionado com o nível de violência no mundo da série, e em muitas ocasiões fiquei impressionado com decisões tomadas a respeito do destino dos personagens.

No começo da série rolavam muitos flashbacks meio explicativos das histórias dos personagens enquanto viviam na estação espacial. Conforme a narrativa evolui, esses flashbacks vão diminuindo em volume e duração, o que é uma alegria. Uma coisa que acontece bastante em The 100 é achar que o personagem vai morrer, porque não tem como escapar – e não é nem escapar de uma situação, mas sim das consequências, como ferimentos, vírus, fogo, ácido, etc – e o desgraçado consegue sobreviver, e pior ainda, de forma bem aceitável, sem parecer deus ex machina pra salvar um elemento chave.

Enquanto escrevia esse post, percebi que a série não tem grandes perguntas, tipo LOST, onde não dá pra explicar nada. The 100 tem tudo relativamente bem explicado, e me prendeu não por não saber explicar determinado acontecimento, e sim porque eu sempre quero saber o que vai acontecer depois, que decisões os personagens vão tomar e quais as consequências disso. Diferente de The Walking Dead, onde sempre tem um núcleo onde quase nenhuma ação acontece, em The 100 todos os núcleos estão sempre lutando com força total pela sua sobrevivência. Outro ponto positivo é que acho que 90% das posições de liderança entre os personagens são ocupadas por mulheres – definitivamente algo diferente do padrão, e uma mudança bem aplicada.

Bom, não sei encerrar o post mas não queria enrolar até terminar a temporada pra escrever porque ia acabar esquecendo de pontos interessantes. Vira e mexe ainda aparece um diálogo explicativo, ou uma cena com a luz MUITO estranha (leia-se: a noite no deserto, no episódio 12 – se não me engano – da segunda temporada), mas são situações tão passáveis no quadro geral da narrativa que nem incomodam. Fica aqui minha reflexão sobre uma série que me decepcionou terrivelmente duas vezes e depois provou seu valor superando muitas outras que eu ainda assisto. Se você leu esse post e for tentar assistir, não desista no primeiro e no segundo episódios. É difícil, eu sei, MUITO difícil, mas dá, e o que vem depois compensa o sacrifício.

Riscando a May.

Hoje eu tinha várias coisinhas do demo reel pra trabalhar, mas passei metade da tarde fazendo isso aqui, e foi muito mais divertido e relaxante.

26.

Yesterday was my birthday and, due to my Canadian-low-key-personality, until Saturday afternoon I wasn’t too sure if I wanted to do something (anything) involving other people than myself or just let the day pass without fuss. Main reasons being “I’m terrible at parties of any kind”, and I mean it. There’s the fact that I don’t drink any alcohol, I’m unable to make small talk and there’s also my (not so) recent indisposition towards food of almost any kind. Whenever people say “bring food or drinks” I’m stuck and I also feel bad if I don’t bring anything. The turning point was when May told me she would spend most of the day at school, finishing up her last big assignment for this term. My options then were to stay home working on the reel – which I already felt pretty happy with what I have for this Term’s final presentation, so it would be kind of stall-working -, watch a thousand episodes of something or play a game – I’ve been doing this too much, lately -, go to the movies – too lazy for a Sunday, the movies are always packed -, or meet some people to talk. Last option was definitely a winner. Now, another choice: go out, or invite people over? Taking into consideration the above-mentioned facts, inviting people over was an easy choice.

The plan was to have not so many people in a way that I would be unable to listen and talk to everyone, or feel uncomfortable squeezed somewhere (the apartment is very small, you know), and, on the opposite side, not sit around all day waiting for everyone to show up and having just one or two people over – curiously, this actually happened at some point and was nothing close to my worries. I think I’m worrying too much about social things, and the day ended up being all of the above possible scenarios. During the morning I worked on my reel, nothing major, just a couple tracks and cleanup, stuff that’s easy to do and doesn’t take much planning.

By the time I got tired of tracking and removing brands it was almost 1:30pm and I suddenly got curious about playing Transistor – got the game a couple weeks back and didn’t get excited to play it until yesterday. Sure, why not? Played for a while until Paul arrived. We hadn’t talked for a very long time and we used to be like twin brothers (or a couple, to some people, in the most awkward situations) when we moved to Vancouver. School has played a major part breaking us apart and we talked for three hours non-stop yesterday, until he had to go, rehearse for a presentation today. I was walking with him to the bus stop when the phone rang and Pan asked me about my exact address. Time to get back home!

The moment I entered the apartment, Fernão called as he arrived at the Lobby. Before we got up, Pan arrived too. After a while, Maísa got here, and then around 5:30, Petar, Clem and Dani, that were at school. Nicko and Nat also showed up, then May came home early – and so tired, poor thing – and the last one to arrive was Rityka. The most people we had here, before yesterday was when I was shooting the reel, that Nicko, Petar, May and I walked around light stands and cameras. Feels good to know this place can take a 10-people party without falling apart – and by the time we were done the apartment was almost as clean and organized as the moment we started. I didn’t see this one coming, and also a good surprise, on a day of good surprises.

Speaking of good surprises, Rityka even brought cake – so it was officially a birthday party – and the cake had a number of slices that matched precisely the number of people in here. Oh, and it was a goooood cake. I have pictures to prove it.

Back to my social awkwardness. I always feel I’m too quiet and isolated so that people don’t actually know me. I’m much more interested in listening than talking, if I don’t feel like going to things and places, I won’t do it and won’t feel bad about it either. It’s not that I do it on purpose, I just don’t know any other way of being. It feels a little strange being like that AND being the host at the same time, gotta tell you this, but yesterday all I felt I was that I was among true friends and I enjoyed every single thing that happened. VFX111 also kind of wrecked my illusion that “people don’t know me” based on what they gave me and brought as food (granola bars, chocolate (different options), cake, cookies, chips and ice cream). Nothing could say “we know you, dude, and we care about you” louder than what you did, guys. Thank you for the best birthday abroad I had so far – not that I had any other, but without you, this one wouldn’t even count.

I feel there’s still something left to say, but it’s early morning and my english fails me. I’ll finish it up with our group photo for the combination of strange and yet amazing elements in it sums up how I’d love my life to be until next year comes.

Now I feel weird about this post, but I’ve spent almost an hour finding the words and I don’t talk much, so, fuck it.

ps – Thank you, Rityka, for the pictures, and the caaake!

Descanse em Paz, Term 5.

Na história dos Terms relâmpagos, o Term 5 de longe tá na liderança. Parece que era ontem que eu tava me matando com meu primeiro plano de efeito, sem conseguir fazer o diabo das naves grudarem no céu de forma apropriada. De lá pra cá, consegui atingir minha meta de deixar só o último plano pro Term 6, e um pedacinho de outro – que tá se revelando mais complicado do que deveria. De forma geral eu tô gostando bastante do que tá acontecendo no reel, e do ritmo que tô conseguindo tocar, tirando coisas do caminho e fazendo ajustes rápidos pra melhorar o visual.

Temos a apresentação final desse Term na quarta feira e tirei hoje (e o fim de semana, se preciso) pra dar uma arrumada no som, que é o mesmo desde o fim do Term 3, além de correções sugeridas pelos professores e mentores. Tô montando a versão final já no After, pra poder ir substituindo as atualizações de cada plano sem ter que me matar no final. O esqueleto já tá todo estruturado, e só falta mesmo ir martelando as versões finais. Três semanas atrás eu duvidava que fosse capaz de chegar no fim com o filme pronto. Agora, acho difícil chegar no fim SEM o filme pronto.

É engraçado que, apesar de termos bem menos aulas de verdade, parece que tô aprendendo muito mais nesses últimos terms do que quando tínhamos aulas de fato, e assignments mais “básicos”. Falando em assignments, nesse term tivemos um só, composto de duas partes. A primeira, fazer uma Camera Projection, tipo aquela da TV aqui em casa, ou as do Portal, e depois integrar uma simulação de fluidos de maneira realista. Por “fluidos” leia-se fumaça, fogo, água, vapor, poeira, enfim, coisas não sólidas.

Fiz a camera projection em um dia, quando tiramos as fotos, e os fluidos foram um pesadelo, porque tem um bilhão de parâmetros e cada um deles tem consequências muito mistas, daquele tipo que você acha que foi causado por uma coisa e na verdade foi por outra, mas aí você já mudou a que achava que era e fodeu uma terceira coisa, e assim por diante. Não pretendo mexer com esse treco nunca mais, tamanho o stress. Simulação não é comigo, entendo isso cada dia mais!

A primavera parece estar começando a dar espaço pro Verão, os dias estão ficando consideravelmente mais longos, ontem 9 da noite o céu ainda tava azul escuro, e às 6 da manhã já tá tudo claro também. Começando dia 23 temos um break de praticamente duas semanas, possivelmente com um clima adorável. Compramos ingressos pra ver Sweeney Todd dia 01 de Maio, no teatro e fomos ver Relatos Selvagens no cinema, no final da semana passada. Já tem no piratebay, e é um puta filme, muito divertido mesmo, de gargalhar alto no cinema.

Numa aula de Team Building – que é uma coisa louca, que não vou entrar na discussão agora – nosso professor explicou que é moleza pra gente contar as piores situações que já passamos. Fazer graça da desgraça é fácil, difícil mesmo é a gente falar das coisas que tem orgulho de nós mesmos. Não por arrogância, mas por ser genuinamente orgulhoso de ter feito algo específico. Então nos reunimos em círculo e cada um foi falando do momento que mais tinha orgulho de si mesmo, de achar que fez a coisa certa, de ter conquistado algo que outros disseram ser impossível e por aí vai. Bom, o meu vai aparecer nesse post aqui, que tem um nome tão emblemático, mas vou tentar contextualizar melhor, e aprofundar em detalhes que acho que só eu mesmo sei ou pensei a respeito.

Esse post começou a ser escrito no dia 24 de Julho do ano passado, mas foi nessa madrugada que me veio a inspiração pra terminar. Na verdade, a inspiração pra passar do primeiro parágrafo. Na verdade, o título já tá equivocado, porque falar da Paperball não é algo muito preciso ou exato. Nessa mesma matéria, de Team Building, Kieron, que era o professor, falou que se ele sentar pra conversar com alguém, ele consegue identificar os elementos chave na história daquela pessoa que fizeram ela chegar onde está nesse exato momento de sua existência. Fiquei com isso na cabeça por meses (literalmente), achando meio claro que eu sabia esses momentos, mas destilar direitinho cada um deles não é fácil. Sempre que eu falo ou lembro da Paperball, a tendência é dizer que éramos um grupo de amigos que fazia um monte de coisa doida, inclusive vídeos e atividades culturais de diversos gêneros. Bem amplo e vago, o que esperar de um bando de adolescentes?

Sempre achei que a entidade “Paperball” fosse uma das cartas responsáveis por me colocar em Vancouver, hoje, estudando efeitos especiais. Depois de muitos minutos revirando na cama e pensando sobre isso, na falta de algo mais produtivo pra pensar, concluí que não foi “A Paperball”. Na verdade, essa coisa toda de Paperball só começou porque em 2004 eu fiquei muito amigo de um camarada apelildado de Donk, mas que hoje em dia eu raramente chamo pelo apelido, por motivos que desconheço.

Bom, pra começo de conversa, eu não faço idéia do que deu partida na amizade. Eu não sou de muitos amigos e geralmente lembro como as coisas começaram, mas nesse caso tá difícil. Não to a fim de fazer um post narrativo, porque ando meio fraco nesse aspecto, mas vou dizer o porquê eu acho que a amizade deu certo. Fazer em terceira pessoa também não tá rolando, e como foi aniversário dele anteontem, vai como se fosse uma cartinha, porque ele merece, e o correio não vai me ajudar sendo que eu já comecei a escrever atrasado.

Véi, em primeiro lugar, a menos que eu tivesse uma idéia MUITO imbecil – e olha que a marca pra definir esse nível de imbecilidade é beeeem baixa -, você nunca virou pra mim e disse “man, não faça isso, porque é tosco”. Podia ser tosco, podia ser burro, podia ser puramente engraçado, a gente nunca foi de se dizer não, e sim de comprar a idéia e ir até o fim, especialmente se não tivesse nenhuma obrigação de chegar a lugar nenhum e não passasse de uma piada. A gente sentou pra estudar logaritmo um dia, pra passar numa prova de Matemática, e – juro por deus – acho que esse dia é o único motivo pelo qual eu sei Log até hoje. O objetivo dessa citação é meio que se a gente ia fazer alguma coisa, não ia ser pela metade, ia ser pra ficar foda, mesmo que a referida coisa fosse… estudar log.

Ao logo de 2004, 2005 e 2006 a gente levou isso a níveis mais altos com INCONTÁVEIS trabalhos de literatura, apresentações sobre qualquer assunto, mentiras orquestradas de forma minuciosa, regs de adolescente- onde eu nunca bebi, e você mesmo bêbado sempre foi uma excelente companhia. Na verdade, o fato de sermos tão diferentes a respeito de muitas coisas, de visão de mundo, de história de vida, opiniões, somado à sua grande facilidade de expressão – leia-se: você fala pra caralho, sobre qualquer coisa que você tenha uma opinião a respeito, ou seja, tudo – mas ao mesmo tempo, aberto a ouvir meus argumentos, muitas vezes sem pé nem cabeça, muitas vezes mais acertados que os seus, heheheh, não é algo comum de se encontrar.

O texto tá indo rápido e já cheguei na parte de me contradizer. Lembra quando eu falei que você nunca virou e largou um “man não faça isso porque é tosco”? Bom, não era exatamente o que eu queria dizer. Na real a gente disse isso um pro outro uma pá de vezes mas a conversa nunca acabava aí. Geralmente esse era o ponto de partida pra chegar em algo possivelmente menos tosco (algumas vezes era algo mais tosco), que ambos concordassem. A gente projetou um carrinho de rolemã e foi buscar a desgraça na puta que pariu, depois do mototáxi mais absurdo de toda a minha vida (possivelmente o ÚNICO mototáxi da minha vida), e eu nem lembro mais pra que era o diabo do carrinho! Gincana? Alguma coisa dessas?

Aprendi um monte de coisa com você, Fiuza. Aprendi a falar em grupo, aprendi que minha opinião tem valor e que muitas vezes importa mais o “como” se diz do que o que está sendo dito de fato, aprendi altos truques de direção (“MÊTA!” com acento circunflexo e tudo), aprendi muito mais do que jamais saberia sobre Salvador, aprendi que não posso odiar todos os advogados do mundo, que generalizações geralmente te levam pra um erro crasso, que ir tomar sorvete na Cubana no meio da semana num intervalo do trampo é sempre uma opção válida. Que tomar sorvete na Cubana é sempre uma opção válida, com trampo ou não. Aprendi onde ir pra arrumar uma janela de carro arrombada, quais os melhores amigos pra um reveillon completamente sem noção, aprendi que uma amizade de verdade não morre com a distância e que o tempo longe é bom pra ter novas histórias incríveis pra contar.

Putamerda, com você eu aprendi a contar histórias. Verbalmente. Aprendi a xingar, porque palavrões são elementos chave em qualquer história, aprendi que a mesma história pode ser contada toda semana, com várias atualizações e upgrades e ainda render um monte de gargalhadas, aprendi que se apropriar das histórias dos bróders não é crime, e que quando alguém reconhece o evento, fica ainda mais engraçado por causa da cara de “ei, mas você não tava lá, tava?” do sujeito.

Derivando de contar histórias, um dia a gente resolveu brincar de filmar coisas com uma Sony Cybershot que tinha lá em casa. Photoshop era divertido, mas por que não colocar movimento nas coisas? Assim nasceu “Apanha Mas Não Morre”, seguido por outros clássicos de churrasco mas nenhum sinal concreto de que aquela brincadeira de filmar palhaçadas ia levar a algum lugar. Quase dois anos passaram até que ficasse claro pra mim que aquilo era MESMO o que eu queria. Dois anos de reg quase todo fim de semana ao redor da mesma mesa de pedra preta, conversando e comendo o que quer que estivesse ao alcance até altas horas da madrugada. Depois de um tempo brincando de vídeo, começaram a surgir chances de ganhar uns trocados com material pra aulas de… literatura. Tinha que ser, acho que era uma ironia divina, sei lá.

Nesses trabalhos, sempre foi você que definiu o fio da meada. Por onde seguir, que opinião a gente tava defendendo, porque ficar em cima do muro não leva a lugar nenhum, e por aí vai. Eventualmente eu larguei Ciência da Computação e resolvi que ia fazer Cinema. Cinema, com letra maiúscula, porque era isso mesmo que eu achava que ia acontecer. Promessa de primeiro milhão aos 25. Bombamos essa. Ainda tenho três dias sobrando no meu calendário, mas não tô achando que vai rolar. Anyway, fui pra São Paulo, fazer cursinho e depois USP. Você nunca achou que eu tava fazendo errado – diferentemente de sua opinião sobre minhas ex-namoradas. hahahaha – e de São Paulo, agora tô aqui em Vancouver, mais longe de minha cidade natal do que jamais estive antes.

Trabalhando no meu projeto final – que pra mim tá sendo muito mais tenso do que o TCC na USP – percebo que tô precisando de umas fotos de referência de luz de faróis de carro. Pqp, não tenho carro aqui, então a primeira coisa que me vem na cabeça é pedir ajuda no famigerado Chat PBP. Você e Piu respondem quase de imediato e me mandam coisas incríveis, muito melhores do que eu esperava – ou precisava! Acho que foi isso que eu me toquei enquanto rolava na cama de madrugada: a gente sempre soube quando o que quer que estivesse em questão era muito importante pro outro. Não precisava ser algo verdadeiramente importante pro mundo, ou pra vida, mas para aquela pessoa, naquele momento.

Passou seu aniversário e eu tava tão imerso aqui nos trabalhos de fim de Term que nem mandei parabéns, então, depois desses sei-lá-quantos parágrafos, te agradeço por tudo que a gente fez junto (highlights memoráveis para Reveillon em Morro e São João em Cruz, que não foram mencionados acima) e tudo que a gente ainda vai fazer – aquele rolê de Kombi pelo Nordeste?. Parabéns por tudo que você conquistou até aqui, te desejo todo o sucesso do mundo, sorvetes da Cubana, nascentes e poentes nessa vista incrível da sua janela, tudo de bom com Piu (Piu, o que você decidir eu assino embaixo) e uma cachacinha, que pra você quase sempre vai bem.

Bejo!

Piu, não me mate. Eu não quero roubar ele de você. ;)

Matei o Blog?

Tenho pensado muito nos últimos tempos, se trazer o TCC pra esse blog não acabou me inibindo de continuar a escrever histórias pessoais de forma tão pública. Ainda que a maioria dos interessados não entenda porra nenhuma de português, fica uma sensação estranha, de misturar as duas coisas, parece que não é mais um caderno de anotações, e sim que eu tô exibindo qualquer fato que seja. Ou é só meu jeito de interpretar as coisas.

Bom, o ponto desse post é meio que pra mim mesmo, dizendo que foda-se, e eu vou continuar com posts totalmente não-técnicos nem relacionados com a pesquisa, ao mesmo tempo que intercalo com vídeos e testes. É ideal? Não, mas enquanto o rolê anamórfico não tiver sustança sustentar seu próprio blog/portal/o que quer que seja, esse é um espaço pras histórias de Tito, que também gosta de lentes, e não o contrário. Já tô me repetindo.

Por aqui, tô vivo, esse Term foi ridiculamente rápido e puxado, tô fazendo um assignment de Maya Fluids. Já sei até quando vou – por livre e espontânea vontade – trabalhar de novo com esse treco: JAMAIS. É muito complicado e praticamente impossível de entender o que cada coisa faz, porque tem parâmetro pra tudo, e é a combinação deles que dá o resultado, então mexer num parâmetro pode não mudar nada até a metade do processo e depois foder tudo no final. A entrega do assignment é amanhã (quarta), e já tá tudo pronto, lindo e maravilhoso, menos o inferno dos fluidos.

O demo reel também tá evoluindo, nessa semana (passada) consegui fazer um plano muito divertido usando sombras e luzes com ajuda do Fernão na animação do meu querido alien, e logo mais tá acabando. Ainda tem muito terreno pra cobrir e coisa pra fazer funcionar, mas o prazo acaba e não dá pra ficar enrolando sem terminar até o infinito. O break tá chegando e vamos ter duas semanas de folga, na cara do verão. Pra ficar melhor, a temperatura média podia subir de 10 pra 20 graus. Sei de um sujeito que não ia reclamar.

Ontem fomos ver um show do Gil aqui em Vancouver e deu uma saudade boa da Bahia, daquelas de lembrar de coisas e gostar das memórias, não daquelas que dá vontade de voltar correndo.

Opa, o Maya começou a fazer barulho aqui, vou voltar pra ver se termino essa desgraça!

First time shooting like this on my own. The video turned out WAY LONGER than I expected so I’ll be much more concise during the reviews. This one can be longer too, because there are lots of rules and I wanted to make them all very clear. I planned to do this much more carefully, with better lighting and all, but since one of the lenses is going away on Monday I had to start early or totally miss one of the reviews. I’ll think of it as a pilot episode, testing for feedback and response.

« Older entries